terça-feira, setembro 23, 2008

A verdade (ou quase isso)

Antes de mais nada, obrigado pelos que já voltaram a aparecer por aqui. Ainda não agradeci a nenhum de vocês diretamente, mas estou lendo os comentários e fico feliz de ver que ainda tem gente que me atura.

Um dos motivos da parada de mais de dois meses no blog foi que eu estive de férias e de computador quebrado durante todo o mês de julho. Não justifica mas ajuda a explicar.

Quando voltei à labuta, me pediram que escrevesse algo pra seção "Colunista convidado" que sai todo domingo no Lance. O assunto era livre e pensei em relatar a minha experiência por terras portenhas durante as férias. O texto e a ilustração correspondente que foram publicados no dia 24 de agosto passado foram esses aqui abaixo.

PS.: Pra localizar melhor no tempo e no espaço, cabe dizer que esse texto foi escrito na mesma semana em que a seleção brasileira perdeu a semifinal olímpica para a Argentina por três a zero.







Pelé? Sou mais o Maradona!


Com o real em alta, Buenos Aires tem recebido brasileiros às pencas de uns tempos pra cá. Pois bem. Mês passado, durante as minhas férias, eu e minha esposa fomos curtir uma segunda lua-demel por lá.


E o que Maradona e Pelé têm a ver com isso? Até aí, nada. Mas assim que desembarquei, tomei um susto já no saguão do aeroporto. Uma loja abarrotada de camisas da Argentina tinha uma foto imensa do Maradona dividindo uma parede inteira com uma outra do mesmo tamanho do Pelé. PELÉ?! Na Argentina...?! Tudo bem, vestindo a camisa do Cosmos, mas, fora isso, nenhuma ironia. Vá lá que o objetivo fosse apenas agradar aos turistas brasileiros, mas los hermanos não nos odeiam? Aquilo me soou muito gentil. Odiei admitir, mas um a zero pra eles.


Dois dias depois, fomos visitar a Bombonera. Infelizmente não haveria jogo, mas pagamos ingresso pra dar uma olhada no estádio e visitar o museu, que, aliás, é muito bacana, cheio de itens de fazer babar torcedores ou não. Emendamos com uma voltinha pelo entorno e, entre uma casa colorida e outra, vejo dentro de uma loja um painel pintado com um time escalado assim: Riquelme, Palermo, Messi, Maradona e... PELÉ! Agora com a amarelinha! E em plena Boca?! Àquela altura, eu já estava achando os inimigos mais gente boa do que esperava. Argentina dois a zero.


O lance final da partida aconteceu numa parrilleria, a churrascaria de lá. O garçom, gentilíssimo, puxou assunto e, claro, o papo descambou pro futebol:


– Ah, pero Brassil e Arrentina son hermanos. Somos rivais solamente en el fútbol, nada más.


Aí, com três taças de Malbec nas idéias, o meu senso de rivalidade foi pra escanteio:

– A gente não admite, mas nós invejamos o amor que vocês têm pelo Maradona. A verdade é que gostaríamos de amar Pelé tanto quanto vocês amam o Pibe. Brasileiro só gosta do Pelé pra sacanear argentino. De resto...


Tá lá! Em pleno campo adversário, marquei um golaço contra. Hermanos três, Brasil zeeeero.


Ainda não comentei, mas é impossível andar cem metros em Buenos Aires sem ver uma foto do Maradona. É deus. Já, para nós, Pelé é um belo cartão-postal e olhe lá. Indo além, fiquei com uma bruta impressão de que eles têm admiração mais sincera pelo nosso Rei do que nós mesmos.Pode ter sido o efeito dos vinhos ou o clima de "o amor está no ar" com a minha esposa, mas eu voltei de lá vendo os hermanos com outros olhos e confesso que perder pra Argentina passou a doer bem menos.Com o time do Dunga então...

10 comentários:

(joe) . disse...

Maestro Mario Alberto, soy Argentino y es verdad que la única rivalidad que existe entre nosotros es el futbol. de allí salio el mejor jugador del mundo y de acá la continuación.
admiro su futbol como tus creaciones.
seguido visito tu blog y guardo todos tus dibujos ( perdón).
Un colega .
José Luis Peralta.
www.caricaturaspomo.blogspot.com

Marcelo disse...

Grande Mario, Vc voltou a gente volta tbm..rssssss

Muito legal o texto, Sobre Pelé e tal.. é complicado.. o cara não fala que começou em Bauru e tal, tá certo que aqui ele deve ter sofrido muito e mais um pouco, mas foi no BAC que ele iniciou tudo.. acho que ele deveria ser mais simpático com a cidade... Mas Ozires Silva tbm é.. e vc nem sabia que ele era aqui da terrinha.rssssssssssssss
O único que fez e faz propaganda daqui é o Marcos Pontes o Astronauta..rssssss
Bom é legal curtir o amor e o Futebol da Argentina, eu gosto tbm, tanto que Tevez será um semi-Deus por causa de um campeonato e o Herrera sempre será lembrado por nós, como Mancuso é pelo Palmeiras e Flamengo, e o Sorín pelo Cruzeiro dá gosto de ver os caras se doando pelo time.
Abraços Mario..e que legal que voltou.

M.Suyço

Bruno Venancio disse...

Mestre M.A.

devo admitir...que
parece que por lá o futebol ainda não morreu
se é que me entende.
Pois o que é feito aqui no Brasil não é futebol, é um arrumado de 11 jogadores que se reunem no maximo 3 meses, e se alguns se destacam, jah vão la pra europa, que é disparado o melhor futebol do mundo(clubes)!
e na argentina, ao menos de longe, ´parece que isso não morreu
o futebol ainda ecoa por lá, pode estar no finzinho também, mas que é bonito o amor que eles tem pelo jogo, ahhhh se é...


já aqui, o balcão de negócios, o estágio para inciciantes para ingressar na europa....
aqui tá uma lástima...
Abração pra vc
e vê se não nos abandona novamente ein!!!

Nautilus disse...

Muito legal, Mario. Você teve a mente aberta para ver além da superficialidade dessa rivalidade bizonha.
Bye,
Alex

andré disse...

Olha aí, a versão escritora do Mário. Achei muito legal o texto, objetivo e com uma visão imparcial, pôs-se a fazer uma análise sincera.

Em tempo, a carica do Maradona está show. Viraria poster em Buenos Aires.

jfcustodia disse...

Parabéns pela caricatura de alguém que sempre foi a caricatura do Rei do Futebol !

Pelé sempre estará acima de Maradona futebolisticamente falando, sem ufanismo.

Mario Alberto disse...

Pessoal, mais uma vez obrigado pelos comentários. José Luis, volte siempre! Marcelo e Bruno, um dia a carteirinha de sócio do blog de vocês fica pronta... Alex, véio de guerra, bom te ver por aqui. André, ainda estou devendo aquele comentário no CrabJelly, eu sei...JFCustodia, futebolisticamente falando? Nem se discute. Mas o meu texto não fala sobre futebol, fala sobre amor.

Abraços a todos, comentando ou não.

Gonza Rodriguez disse...

Maestro! que bueno es leer eso, sobre todo para mi que soy argentino y hace 4 meses que vivo en Brasil, trabajando tambien como caricaturista e ilustrador. Comparto 100% sus palabras, aqui la rivalidad se extiende a mucho mas que el futbol. En TV, Radio y medios escritos veo todas las semanas alguna "Piada" sobre os "Hermanos". A pesar de eso, y al igual que muchos argentos, amo muchas cosas de este pais, como su cultura, musica, belleza y gente, tanto amo que me enamore de una brasilera y aqui estoy, muy feliz.
Felicitaciones por su trabajo, usted es un referente para mi desde hace años. Saludos
Gonza
www.gonzarodriguez.com.ar

Thiago Cheim disse...

Acabei de voltar de Lua de Mel de lá e a minha conclusão foi exatamente a mesma! O ÚNICO "problema" entre Brasil e Argentina é que existe "una pelota" entre as duas nações! Pois eles nos adoram! O problema deles é com o Chile!
E uma coisa que você comentou é a mais pura realidade. Eles amam o Pelé muito mais do que nós mesmos.
Abraço!

ROJAS disse...

Belíssimo texto, M.A.!

Meu irmão esteve em Buenos Aires recentemente e teve exatamente a mesma impressão. Nenhum motorista de táxi o sacaneou ou deixou de falar bem do Pelé.

Aqui a gente sabe que ele jogou demais, mas também conhecemos o lado do Edson. Aquele cara gêmeo do Rei que só fala besteira.

A admiração deles é mais pura que a nossa, sem dúvidas.